“Monitorar e gerenciar milhares de acres pode ser um desafio. Agora, imagine fazer isso num terreno a mais de 9.000 km de distância.

“Eu cultivo milho, soja, batata, trigo, linho e ervilha na Rússia, nas Filipinas e em Gana, África”, diz Shane Peed, que vive em Fort Dodge, Iowa. “Eu estava acompanhando a produção e os equipamentos em 60 a 80 campos usando uma planilha de Excel, mas não era eficiente de tão longe”.

Como se a distância não fosse um desafio grande o bastante, garantir uma comunicação clara entre os trabalhadores de língua estrangeira também era um obstáculo. “Era importante ter a capacidade de russos e americanos usarem o mesmo sistema”, acrescenta.

Pesquisando há anos para encontrar um sistema que faria facilmente a tradução para idiomas diferentes do inglês e que não seria financeiramente inviável, Peed descobriu o Cropio em 2015. O sistema de gerenciamento via satélite, que fornece atualizações em tempo real das condições da safra e do campo, atendeu a todos os seus critérios.

“Cropio se converte para os dois idiomas com muita facilidade”, diz Peed. “A empresa também acrescenta recursos que são importantes para a agronomia americana e internacional”.

Com uma média de menos de $1 por acre, o preço também ofereceu uma vantagem competitiva. “Muitas das plataformas que consultei não cabiam no meu orçamento”, diz Peed. “O preço vai ser importante conforme eu continuar a adicionar mais acres e equipamentos”.

Até o momento, o sistema monitora por volta de 17 mil acres na Rússia e outros 400 em Gana. “Até o fim do ano que vem, espero ter por volta de 200 mil acres no sistema Cropio”, acrescenta.

Outro benefício para o sistema é o que ele não inclui. Enquanto muitas das outras plataformas que ele consultou incluíam contabilidade, essa não era uma prioridade para Peed.

“Eu queria um sistema que estava focado na produção”, diz ele. “Com Cropio, eu sei exatamente o que está acontecendo nos meus campos. As informações estão bem ali no meu celular, por isso posso procurar de forma rápida e fácil um campo ou uma máquina para descobrir o que precisa ser feito”.

Com cerca de 15 tratores e uma variedade de implementos, a telemática do Cropio também permite que ele saiba a localização de um equipamento a qualquer momento. “Por ter um número limitado de máquinas, os tratores precisam ser movidos frequentemente de um lugar para outro”, diz Peed.

As máquinas são registradas no sistema e programadas para um ano inteiro, então ele sabe exatamente onde o equipamento está funcionando e o trabalho que precisa estar fazendo. “Também posso monitorar o movimento de veículos como caminhões”, observa.

As máquinas são monitoradas conforme se movimentam de um lugar para outro por um campo. O sistema permite que Peed crie um relatório detalhado do histórico de um campo, incluindo relatórios semanais e mensais da análise do solo, densidades e datas da semeadura, proteção da safra, fertilizantes e características da safra. Esses relatórios permitem que Peed tome decisões mais conscientes sobre os campos para a próxima temporada.

“Sempre que uma máquina passa por um campo, as informações são enviadas para o site do Cropio, onde são armazenadas. Esses dados podem me ajudar a entender melhor o que aconteceu em um determinado campo com o tempo”, diz ele. “Em vez de tentar me lembrar do que aconteceu num determinado campo ou de introduzir os dados no Excel mais tarde, agora posso analisar o histórico anterior em um piscar de olhos”.

Como Peed usa várias marcas, integrar outros sistemas é bastante transparente. “Os mapas do Ag Leader podem ser enviados para o Cropio, então tenho detalhes exatos do que está acontecendo em cada campo”, diz ele.

Cropio também monitora dados meteorológicos que fornecem temperaturas do ar e do solo, quantidades de precipitação, leituras da umidade do solo e uma previsão do tempo.

“Tenho estações meteorológicas em cada região que cultivo”, diz Peed. “Em Gana, isso provou ser muito útil porque ela me deu uma síntese histórica de aguaceiro. Eu estudei a história de aguaceiro médio em dias e horários exatos. Com base nessa informação, percebi que não deveria estar cultivando aquela safra naquela época”.